Em formação

Plantas em vaso: Adiantum, Samambaia Maidenhair, Adiantum capillus-veneris, Adiantum caudatum, Adiantum cuneatum, Adiantum formosum, Adiantum macrophyllum, Adiantum pedatum, Adiantum polyphyllum, Adiantum rubellum, Adiantum venustum

Plantas em vaso: Adiantum, Samambaia Maidenhair, Adiantum capillus-veneris, Adiantum caudatum, Adiantum cuneatum, Adiantum formosum, Adiantum macrophyllum, Adiantum pedatum, Adiantum polyphyllum, Adiantum rubellum, Adiantum venustum


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Classificação, origem e descrição

Nome comum: Samambaia Maidenhair (para A. capillus-veneris).
Gênero: Adiantum.
Família: Adiantaceae ou Polypodiaceae.

Etimologia: o nome do gênero deriva do grego adiantos, que significa seco, e que já foi utilizado por Theophrastus em Historia plantarum, provavelmente pelo fato de a água deslizar nas folhas, sem ser absorvida.
Origem: zonas temperadas (Europa e América do Norte) e zonas tropicais (América Central).

Descrição do gênero: inclui cerca de 200 samambaias rizomatosas, que podem ser cultivadas ao ar livre (espécies rústicas), em estufa ou em apartamento (as espécies mais delicadas). Eles têm folhagem leve e decorativa.

Samambaia Maidenhair (Adiantum capillus-veneris) (site da foto)

Espécies e variedades

Adiantum capillus-veneris: é comumente chamado de Capelvenere. A espécie é originária de áreas tropicais e temperadas; é espontânea em toda a Europa (cresce nas fendas das paredes em locais úmidos e sombreados). Tem um hábito quase ereto e pode atingir 50 cm de altura. As hastes são escuras e as folhas, muito claras, pinadas e com segmentos triangulares de cor verde claro, crescem eretas até 40-50, após o que se arqueavam em um arco.

Adiantum caudatum: nativa da Europa Oriental e da Ásia, esta espécie delicada não atinge alturas superiores a 15-20 cm. Tem um hábito de pendurar, o que o torna adequado para o cultivo em cestos pendurados. As folhas têm 30 cm de comprimento. Os pecíolos dos pequenos segmentos são marrons. No final das folhas, são formadas pequenas plantas, que podem ser usadas para obter novas amostras.

Adiantum cuneatum (também chamado A. raddianum): originário do Brasil, possui folhas de até 50 cm de comprimento, pinadas e constituídas por segmentos cuneiformes e lobados, em forma de leque. Os pecíolos são de cor púrpura-enegrecida. Adequado para cultivo em apartamento ou estufa fria, são mencionadas três variedades: "Fragrantissimum" muito perfumado; Fritz Luthii ou Luth, com folhas de até 50 cm de comprimento, finas e formadas por inúmeras folhas de cor azul aço; "Elegans", com folhas compactas, primeiro vermelho-marrom e depois verde-amarelo.

Adiantum formosum: procedente da Austrália e da Nova Zelândia, esta espécie é adequada para o cultivo a frio em estufa. As folhas são quadripenadas, de forma triangular e pecíolos roxo-preto-escuro. Pode atingir 60-90 cm de altura e 60 cm de diâmetro.

Adiantum macrophyllum: planta caracterizada por folhas de 30 a 40 cm de comprimento. composto por numerosos folhetos, com margens dentadas, de cor extremamente frágil e avermelhada, que passa a verde-amarelo.

Adiantum pedatum: proveniente do Japão e da América do Norte, é uma espécie decídua que atinge 20-25 cm de altura e 30-40 cm de diâmetro. Possui folhas verdes penduradas que escurecem com o tempo, transportadas por um pecíolo escuro que se origina diretamente do rizoma.

Adiantum polyphyllum: é talvez a maior espécie, com folhas, com pecíolos rígidos e pretos, que podem atingir 1,2 m de comprimento.

Adiantum rubellum (também chamado A. roseum): originário da Bolívia, possui folhas que quando jovens são rosa ou vermelhas.

Adiantum venustum (também chamada A. microphyllum): originária da Caxemira, esta espécie rústica de tamanho modesto (até 15 cm. de altura e 20 cm. de largura) possui frondes triangulares com um topo convexo, composto por muitos pinhões e transportado por pecíolos roxo-preto-escuro. Particular é a coloração das folhas: rosa na primavera, verde-claro na idade adulta, levemente azulado na velhice, marrom nas primeiras geadas.

Adiantum formosum (Jardim Botânico de Berlim) (site de fotos)

Requisitos ambientais, substrato, fertilizações e precauções especiais

Temperatura: quente no verão; não inferior a 15-18 ° C no inverno.
Luz: também pode ser moderado, mas generalizado e absolutamente excluindo a luz solar direta.
Rega e umidade ambiental: na primavera-verão, regue abundantemente e mantenha a umidade ambiente alta (mesmo com pulverizações frequentes); no inverno, reduza as doses de água para evitar apodrecer. Use água morna e não calcária. Se o pão de barro ficar muito seco, mergulhe o pote em água morna, até ficar completamente ensopado. Tome cuidado para evitar a estagnação da água, para não danificar os rizomas.
Substrato: todas as espécies de Adiantum precisam de solo poroso e muito permeável, como turfa, solo foliar e composto de esfagno.
Fertilizações e truques especiais: na primavera-verão, administre fertilizante líquido a cada duas semanas. É bom não plantar os rizomas muito fundo e será melhor usar vasos mais largos do que profundos. Lembre-se de tomar cuidado especial com a drenagem do solo. A água nunca deve estagnar e a panela deve repousar sobre uma tigela com cascalho úmido para manter a alta umidade do ambiente.

Multiplicação

Para divisão de rizomas ou semeando esporos. O último método fornece amostras mais vigorosas, mas é decididamente complicado e não é adequado para iniciantes. Os esporos maduros são semeados em cama quente em março, usando terrinas cheias de charnecas e turfa em partes iguais. As mudas são então colocadas em vasos pequenos em grupos de três amostras. Deve-se tomar cuidado para manter o solo sempre úmido e bem drenado.
A divisão dos rizomas é feita na primavera, garantindo que cada peça contenha pelo menos 2-3 brotos. O substrato utilizado deve conter solo, turfa e areia em partes iguais. Os vasos devem ser mantidos na estufa à sombra, cuidando para manter o solo sempre úmido e drenado e a temperatura em torno de 18 a 21 ° C.

Doenças, pragas e adversidades

- As raízes dessas plantas podem ser atacadas pelo "leitões de terra”E dos insetos-raiz (podem causar descoloração e até a morte da planta).

- Mineiros das folhas: atacar as folhas causando o aparecimento de grandes manchas pretas.

- Le deixa murcha: pode ser causado por solo seco, falta de umidade ou troca insuficiente de ar.

- Frio: os rizomas e folhas apodrecem mais facilmente. A rega deve ser interrompida e o solo ligeiramente úmido, mas nunca muito úmido.

- Folhas secas, pálidas e frágeis: esses sinais podem depender da exposição direta ao sol de um suprimento insuficiente de nutrientes. Leve a planta para uma área sombreada e fertilize a cada duas semanas (na primavera-verão).

- Aleurotidi: pode atacar folhas. Eles são reconhecidos porque agitar a planta causa o aparecimento de uma "nuvem branca" de pequenos insetos voadores. Eles lutam com produtos específicos.

- Insetos escamados: pode aparecer na parte inferior das folhas. Eles são marrons e não devem ser confundidos com esporos. Eles são evitados evitando ambientes muito quentes e secos. Eles são combatidos com produtos anticoccídicos ou esfregando as partes afetadas com um pano embebido em água e álcool.


Vídeo: Fern Time Lapse (Pode 2022).